Home Construção, Aquecimento, Tratamento & Manutenção Tratamento & Manutenção Vazamentos em Piscinas – parte II – Nilson Maierá

Vazamentos em Piscinas – parte II – Nilson Maierá

7- Vazamento na estrutura

O vazamento na estrutura, muito comum nas piscinas de concreto, quase sempre é resultado de construção ou instalação não consistentes aliados ao uso de materiais defeituosos ou não apropriados.

Nas piscinas de concreto: não sondagem do terreno, não execução de projeto estrutural ou se executado de uma maneira inadequada, ou o uso de uma impermeabilização inadequada, são fontes de vazamento.

O vazamento inicial em uma piscina de concreto pode ser evitado e reparado em tempo fazendo-se o teste de vazamento e portanto ve-rificando que a impermeabilização foi bem feita, antes da colocação dos azulejos ou materiais substitutos de acabamento. Este teste é mais indicado para testar a impermeabilização, mas não cobre projetos de fundação e de estrutura mal executados, pois o vazamento vai ocorrer posteriormente.

Existindo rachadura visível na carcaça a localização está concluída. Caso contrário a localização do vazamento deve prosseguir.

Uma das maneiras para a localização do vazamento é de desligar a bomba e fechar todos as dispositivos de entrada e saída da piscina, como ralos de fundo, coadeiras bocais de aspiração e de retorno e qualquer outro que tenha contato com a estrutura da piscina. O fechamento destes dispositivos, podem ser feitos por plugues com rosca, porque muitos deles possuem roscas como é o caso de ralos de fundo, bocais de retorno e certamente o bocal de aspiração. Caso não exista a possibilidade de plugues devido a inexistência de roscas pode se utilizar rolhas de borracha ou de cortiça ou qualquer outro material que tenha a mesma função dos plugues ou das rolhas. Para as coadeiras como não é fácil seu isolamento e estando ela próximo ao nível da água basta baixar um pouco o nível para tirar a coadeira do circuito. Os ralos de fundo estando na última posição de vazamento podem ser tapados com um saco de areia. A maioria destas operações obriga o testador entrar dentro da água.

Uma vez isoladas todas as entradas e saídas, deve-se fazer uma marca no nível da água da piscina (juntamente com o balde). Se a água abaixar mais que o balde é porque o vazamento está na carcaça.
A próxima etapa é saber em que lugar da carcaça está o vazamento. Novamente muita paciência e todos os dias observando o abaixamento do nível da água até sua possível parada. Se o nível parou a 50cm do nível original podemos afirmar que o vazamento está na parede próximo deste último nível. Se o nível parou num dos dispositivos afixados na parede da piscina a probabilidade que o mesmo esteja neste dispositivo é muito grande. Devemos lembrar que nichos de iluminação subaquática são lugares muito frequentes de vazamentos cuja probabilidade é aumentada quando de nichos de baixa qualidade ou mal instalados.
Este teste deve se continuado se nada de anormal for verificado até o piso da piscina. Se o vazamento for até o piso da piscina ele está no piso ou no ralo de fundo ou em qualquer dispositivo colocado no piso.

Para não se perder muito tempo, pessoas experientes podem usar: pó muito fino e leve como cinza de cigarro, pó de maizena, ou produtos líquidos co-loridos como vermelho fenol ou azul de metilieno (anil) ou ainda qualquer corante que serão colocados próximo aos lugares suspeitos de vazamento com o auxílio de uma seringa.

Outra maneira de localizar o vazamento é entrando na água e com o auxílio de um escafandro ou uma máscara faz-se uma inspeção visual das paredes e do piso para se observar possíveis rachaduras no revestimento ou separações ao redor dos dispositivos ou debaixo da tampa do ralo de fundo.

8- Vazamento nos dispositivos

O vazamento nos dispositivos na parede da piscina, pode ser no próprio dispositivo ou na junção entre o dispositivo e a parede da piscina.
Para se saber qual dispositivo onde está havendo o vazamento devem ser feitas as mesmas operações feitas para a carcaça e pela parada do nível da água determinar em qual dispositivo está havendo o vazamento.

Dispositivos colocados nas paredes e no piso (caso do ralo de fundo), serão observados através do abaixamento do nível até chegar no dispositivo e se a partir daí a água não abaixa mais, localizamos assim onde está o vazamento. Só é difícil quando o vazamento é no ralo de fundo, sendo este caso tratado como vazamento na tubulação de sucção. Muitos construtores de piscina de concreto, afirmando não querer correr risco com dispositivos de plástico apenas admitem o uso de dispositivos metálicos (aço inoxidável, latão ou bronze niquelado)

9- Vazamento nas tubulações hidráulicas

Uma vez excluída a carcaça e os dispositivos (exceção ao ralo de fundo) quanto ao vazamento, a próxima etapa é verificar o vazamento nos diversos sistemas hidráulicos como o de sucção, de retorno de aspiração e de esgoto.

O vazamento nas tubulações hidráulicas não é exclusiva das piscinas de concreto, mas é comum a todos os tipos de piscinas e quase sempre oriundo de tubulações não devidamente protegidas e que a qualquer movimentação do solo, devido a uma compactação deficiente ou a infiltração da água de chuva no terreno adjacente .

Deve-se detectar e localizar em qual das tubulações está o vazamento.

Inicia-se pela tubulação de esgoto onde é muito comum de ocorrer, não nela em particular, mas na válvula de seis vias, que quando apresenta defeito pode desviar a água da piscina para o esgoto, fato que pode ser facilmente verificado, verificando a passagem da água pelo retrovisor ou verificando no final da linha de esgoto quando possível examinar a saída da água.

Os demais sistemas hidráulicos são muitas vezes verificados com o seu
devido isolamento, fechando-se ambas extremidades, ou apenas uma e a outra é permitida a entrada de ar, nitrogênio, gás carbônico ou água para se aumentar a pressão de 1,5 kg/cm² no mínimo por 15 minutos na linha de sucção e de 1,0 kg/cm² por 20 minutos na linha de retorno. Nesta mesma extremidade de entrada de ar ou água é colocado um manômetro. Se após algum tempo a pressão cai é porque há vazamento e daí deve-se procurar em que local da tubulação está o vazamento. Aparelhos especiais permitem localizar por onde passa o tubo. No caso de metálicos e no caso de PVC passa-se um arame no seu interior para o aparelho determinar por onde passa o tubo. Esta localização final pode ser feita por aparelhos sofisticados como o estetoscópio eletrônicos ou microfones de alta sensibilidade que conseguem emitir som mesmo com o motor funcionando e que são sensíveis à saída da água ou do gás colocado no seu interior. Aliás esses aparelhos já podem localizar diretamente a tubulação e seu local de vazamento. Outra maneira é após saber qual a tubulação que está ocorrendo o vazamento, cavar o chão e procurar pelo vazamento.
Uma ajuda para saber se o vazamento é na tubulação de retorno ou de sucção, consiste em se verificar se o vazamento ocorre apenas quando a bomba está desligada ou ligada. No primeiro caso o vazamento está na tubulação de sucção (pois a pressão da água é maior que a do solo) e no segundo caso o vazamento encontra-se na tubulação de retorno, pois a pressão da água é maior que a do solo. Veja abaixo:

Quando a o vazamento com a bomba desligada, ele se localiza na tubulação de sucção e quando com a bomba ligada ele se localiza na tubulação de retorno.

Vazamento em tubulações de sucção podem vir barrentas pois, com a parada da bomba, água e terra podem voltar pela tubulação para a tubulação de retorno.

Outra maneira de se suspeitar de vazamento na linha de sucção é
observando através da tampa transparente do pré-filtro, se há a entrada de ar, que pode ser também constatada pela sua saída nos bocais de retorno, ou então pela mudança na leitura do manômetro na linha de sucção.

Tubulações hidráulicas abaixo do piso, quer de sucção, quer de retorno, sempre que possível devem ser evitadas, pois possíveis vazamentos são de dificílima correção. Quando embutidas no concreto do piso melhoram bastante a solução dos problemas, mas sua execução deve ser feita cuidadosamente para não interferir na resistência do concreto e nem a tubulação se romper, devido algum movimento do piso.

10- Dicas sobre vazamento

Um dos tipos mais comuns de vazamento é na válvula de seis vias do filtro de areia. Defeito nelas pode desviar a água da piscina para o esgoto, mesmo que a válvula esteja indicando a posição filtrar. Quando o vazamento é grande e o filtro está ligado, deve-se verificar se a água está saindo pela tubulação de esgoto
olhando-se o visor de lavagem, ou na ausência deste procurando-se a saída da tubulação de esgoto. Já comentado no ítem 9.

Outra maneira de se verificar o local de vazamento é através de uma vara, de preferência de ferro com ponta, e com a mesma vai se espetando o solo e caso ela saia molhada é porque o vazamento está naquela posição. Se houver tubulação por perto, a probabilidade de ser nela é muito grande, caso contrário, a probabilidade maior é de ser a carcaça. Piscinas com área de deck grande, dificultam esse trabalho, mas neste caso deve-se furar o deck com broca e uma vez testado colocar silicone nos furos para posterior testes.

Também são indicadores de vazamento: azulejos soltos, crescimento de grama em tufos perto da piscina, água parada ao redor da piscina, movimentação de terra entre a carcaça e deck, conta de água e de energia acima do normal ou quando do uso excessivo do alimentador automático de água, o que é comum em outros países.

Também outra maneira de se testar vazamento em tubulação de retorno e de aspiração, é adaptando-se nos seus respectivos bocais tubulação que deve ficar a aproximadamente 1m de altura. Enche-se os tubos com água e se o nível baixar, é porque existe vazamento.

Outros locais possíveis de vazamento são:

No ralo de fundo quando do uso de válvulas aliviadoras de pressão que apresentam defeitos, usadas quando as piscinas estão em cima de lençóis freáticos. Nas juntas de dilatação, estas são usadas em piscinas de grandes dimensões. Através do pescoço da coadeira, se a mesma foi indevidamente colocada, ou a terra ao seu redor se moveu.

 

Nilson Maierá
Engenheiro químico, autor do livro “Piscinas Litro a Litro”.
www.piscinaslitroalitro.com.br P&A

3 Replies to “Vazamentos em Piscinas – parte II – Nilson Maierá”

  1. Li este seu artigo mas me pareceu que vc. esta´falando de piscina enterrada.
    Tenho uma piscina de cobertura(suspensa) e após 30 anos sem nenhum problema , substitui os ajulejos que já se encontravam com o esmalte soltando por novos e aí apos 7 dias surgiu uma pequena infiltração ao redor do ralo de fundo ( o ralo não é no piso e sim na parede mais ou menos a uns 20 centimetros do piso). Estou com uma empresa especializada prestando o serviço mas aparentemente parecia que tinha um pequeno furinho na quina do ralo com o concreto e foi feito um tratamento a base de massa epox e um impermeabilizante (sika top), porem não resolveu o problema. Ai eles colocaram um produto (pó) que vira uma massa que segundo a empresa se expande e deveria resolver.Isso foi feito pela parte de trás da parede da piscina.Aparentemente uma parece que estava resolvido porem apareceu uma umidade ao lado desse ralo .
    Então gostaria de saber se possivel a sua opinião sobre o caso.

    Grato

  2. Excelente artigo, muito esclarecedor sobre como descobrir vazamentos em piscinas, parabéns pelo trabalho.

  3. Não me ajudou em nada pois tudo que foi falado não atende minha necessidade .pois ja identifiquei o local do vazamento. Tubo de retorno sob o piso. Preciso de um produto para diluir e por na tubulação e solidificar no ponto vazante .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Parâmetros Monitorados, Segurança na Piscina – por Edilene Cotrim

Terapias envolvendo a água são amplamente recomendadas por profissionais da saúde para o c…