Construção - 16/12/2017

Iluminação na piscina

No intuito de colocar a nossa revista cada vez mais à disposição das indústrias
participantes deste empolgante mercado de Piscinas e Afins, convidamos, nesta edição,
empresas, fabricantes de iluminação, a refletir sobre o texto, a seguir, como havíamos
feito na edição anterior, sobre o assunto vinil.

Água é um ótimo condutor elétrico. Logo, onde existe água ou mesmo umidade, é bom evitar ligar, até mesmo perto, quaisquer equipamentos elétricos. Podendo ocasionar choques, às vezes, fatais em pessoas e animais.

Por isso, a lógica nos ensina que, a iluminação em piscinas deverá ser evitada, mas é quase impossível inibir essa tendência que está se tornando moda. A iluminação na piscina tornou-se um item altamente solicitado, quase obrigatório, porém, muito perigoso se não forem cumpridas certas precauções básicas. E realmente, todo cuidado é pouco quando se trata de piscinas em que seja preciso utilizar algum tipo de equipamento elétrico.

Atualmente, muitas empresas se dedicam ao setor, pois, há uma procura crescente do consumidor por iluminação de piscinas e áreas de lazer correlato, fazendo parte, cada vez mais, da decoração da casa.

Primeiro vieram lâmpadas incandescentes, de alta potência em invólucros à prova d´água ou quase à prova
dágua. Seus condutores eram rudimentarmente isolados e acontecia com frequência, de ficarem expostos ao tempo ocasionando curtos circuitos e contatos acidentais pelas pessoas que estavam em sua proximidade.

A instalação era executada, na maioria das vezes, por pessoas não qualificadas, por vezes, sem nenhuma expe-riência em sistemas elétricos.

Passou-se então a utilizar lâmpadas, através de transformadores, com alimentação em 12 volts. Infelizmente, queimavam em muito pouco tempo, exigindo uma manutenção constante gerando assim custos excessivos.

Com o rápido avanço das tecnologias, podemos dizer que, hoje temos à disposição, vários tipos de iluminação para piscinas: lâmpadas halógenas, incandescentes, vapor de sódio, dicroicas, fibra ótica, leds, e outros. Todas com as suas vantagens ( durabilidade, qualidade de iluminação, facilidade de instalação, custo menor, homogeneidade da luz e controle à distância ) e desvantagens ( dificuldades de instalação, custos maiores, potências menores, menor durabilidade, componentes importados, geração de mais calor e emissão de raios violeta. )

Convidamos algumas das empresas de maior destaque na área de iluminação de piscinas para com, total liberdade, apresentarem o seu produto, suas vantagens,
perante os seus concorrentes e a importância que representam no mercado.

 

 

Resposta

CMB – Celso – Diretor

Cada vez mais se torna comum a instalação de iluminação nas piscinas. A iluminação veio para ficar, e cada vez mais moderna, com mais recursos, maior eficiência energética, métodos de instalação e potência luminosa.

Essa brincadeira de iluminar as piscinas começou nos Estados Unidos por volta da década de 30, mas apenas nos anos 60, a indústria entendeu que isso seria um produto rentável e começaram a ser produzidos, nichos de PVC e fibra, que eram mais seguros e eficientes na época.

Nessa época as lâmpadas eram incandescentes de alta potência elétrica e com eficiência luminosa fraca. Na década de 80, começou a ser introduzida a iluminação por refletores de lâmpadas dicroica, usados até hoje devido o baixo custo e boa eficiência luminosa. Também surgiu a iluminação por fibra ótica, que dava um ar mais moderno à piscina e maior segurança à prevenção de choque elétrico, porém com alto custo e dificuldades na mão-de-obra para instalação.
Nos anos de 1990, chegaram os LEDs em forma de refletores, mostrando ser a alternativa mais eficiente (até o momento) para iluminar piscinas, e com um grande atributo: o baixo consumo e a possibilidade de troca de cores e o uso de efeitos, proporcionando lindos efeitos luminosos, sem troca de lentes ou lâmpadas.
A partir disso, a fabricação de refletores para piscina foi difundida e a tecnologia LED democratizou o mercado, pois para fabricar uma lâmpada LED, não há necessidade de grande maquinário ou muito conhecimento, é uma tecnologia simples e barata.
O LED é uma fonte de luz baseada em semicondutores, que quando aplicada a uma corrente elétrica, acontece um efeito chamado eletroluminescência. Misturando componentes dife-rentes, é possível criar espectros de cores distintos, e isso dá ao LED a capacidade de emitir luz colorida, desde ultravioleta até o branco mais quente.
Combinando-se essas cores, podemos produzir qualquer cor. Em especial as cores, vermelha, verde e azul, que são conhecidas internacionalmente por RGB (red, green e blue). Essas três cores, se combinadas em porções especificas geram qualquer outra cor dentro das cores de luz visível. Diante de toda tecnologia e evolução do mercado, a CMBAQUA sempre investiu e atualizou seus refletores, a fim de proporcionar a melhor qualidade de iluminação, baixo custo de energia e lindos efeitos luminosos, combinando com um design inovador de seus refletores.

Esse é o método de formação de cores mais utilizado no mundo devido o baixo custo e a praticidade de combinar as cores com um resultado excelente.
O refletor por si só não produz cores. Ele necessita de um controlador, que por sua vez, conta com um circuito eletrônico integrado que faz a mistura de cores RGB, além de uma série de efeitos.
Mas qual a diferença entre tantos fabricantes de refletores e controladores existentes no mercado?

A resposta é muito simples: Qualidade e Conhecimento. A tecnologia LED é simples, mas isso não significa que possa ser feita de qualquer forma. Para acender um LED é necessário obedecer alguns parâmetros elétricos e térmicos, que se não forem respeitados, o resultado é a curta vida útil do produto.
Hoje temos LEDs com até 100.000 horas de vida e com eficiência de 300 lm/w (lumens por watt), mas se eles não forem bem dimensionados, sua vida não passará de 5.000 horas de uso com uma eficiência menor que 50 lm/w.
Apenas um comparativo: uma lâmpada incandescente precisa de 100W elétricos para gerar 1600 lumens, enquanto um led com tecnologia mediana precisa apenas de 20W.

Para baratear o produto, alguns fabricantes usam LEDs de menor custo, que por sua vez têm uma vida útil consideravelmente menor, ou têm uma eficiência energética menor onde alguns refletores consomem 3W mas entregam apenas 1W de luz. Para um LED funcionar é preciso apenas de corrente elétrica, mas isso não é respeitado em alguns refletores resultando no superaquecimento da lâmpada e consequentemente na diminuição brusca da vida útil desta. Isso ocorre por má qualidade na fabricação ou para o refletor aparentar um brilho maior que o dos concorrentes.

Existem, no mercado, refletores de LED tipo “bala”, que tem baixa eficiência e pequena potência e são montados em grande número, chegando até 144 leds em apenas uma placa.

Os refletores com “super LEDs” são montados com LEDs tipo “superfície” que tem alta eficiência e alto consumo energético. Esses LEDs, diferentemente dos tipos “bala” precisam de gerenciamento térmico, senão sua vida útil é diminuída considera-velmente.

Esse gerenciamento se dá pelo controle da corrente elétrica que passa pelo LED e pela dissipação do calor que este produz que é feita através de materiais dissipadores de calor com o ambiente externo.

Um refletor LED montado dentro de uma piscina não garante que este terá uma boa dissipação térmica, pois muitos fabricantes usam plásticos como poliuretano, poliéster e nylon para fazer o nicho (carcaça) do refletor. Esses materiais são péssimos condutores térmicos, o que resulta no superaquecimento dentro do nicho.
Refletores de boa qualidade usam material termo condutivo que garante que a temperatura do LED esteja sempre abaixo de 40°C, o que aumenta a eficiência e garante a vida útil do refletor.
Outro ponto é a marca do LED. Para um mesmo LED, podemos pagar uma diferença de 1000% no valor da peça, e isso reflete no custo do produto final. Não há milagres no mundo dos LEDs, o melhor é sempre mais caro.
A fixação do LED dentro da piscina é também um fator importante. Os primeiros LEDs usavam nichos que são suportes chumbados na lateral da parede onde o refletor é encaixado. Hoje há uma grande tendência de se acabar com os nichos, onde os refletores são instalados em dispositivos de retorno ou em tubos de PVC, o que facilita muito a instalação.
Um ponto importante na escolha do refletor é o quanto refletor fica ressaltado da parede. Refletores menores com uma sa-liência menor têm maior aceitação, por serem mais discretos e não servirem de “escada” para crianças que usam a piscina.

Depois de escolher o refletor ideal para a piscina, é preciso escolher o controlador. O controlador é responsável pelos efeitos e cores que a piscina terá. Os controladores mais modernos contam com fontes de alta eficiência conhecidas por fontes chaveadas. Essa fontes garantem uma tensão (na maioria dos casos) de 12V contínua para os LEDs, o que é importante para que o LED tenha o brilho especificado pelo fabricante. Essas fontes são mais seguras (desde que de boa procedência) pois, elas gerenciam o consumo de corrente e têm proteção contra superaquecimento, sobrecarga e sobre tensão, diferentemente dos antigos transformadores que não entregavam a potência necessária para os LEDs e muitas vezes superaqueciam, podendo ocasionar choque elétricos.

A maioria dos controladores, contam com controle remoto para acionamento das funções e o liga/desliga das luzes. Esses controles trabalham com comunicação via rádio de 433MHz (megahertz) e o bom funcionamento do circuito depende da qualidade deste rádio.

Escolhendo bem os refletores e o controlador, é possível ter uma piscina bem iluminada, desde que haja uma instalação bem feita. Até hoje, o grande vilão de qualquer tipo de refletor para piscinas é a própria água, que infiltra na rede elétrica através das emendas de cabos afetando o funcionamento dos refletores. Para evitar este problema, a instalação deve ser feita de forma cuidadosa sem emendas de cabos expostas, e utilizando-se caixa estanque (IP-68).

 

Resposta

Reflexmoon

Ademir – Diretor

A REFLEXMOON é uma empresa 100% brasileira que atua no mercado de piscina há 10 anos, nossa fábrica está localizada em São Paulo (capital), há quase 3 anos a REFLEXMOON foi adquirida pela Equiplas, ligada aos irmãos e sócios Ademir Andrade e Graciana F. Andrade, ambos com experiência de mais 25 anos do mercado piscineiro, atuando na fabricação de equipamentos para produção de piscinas em P.R.F.V, tratamento de água para piscinas, trocadores de calor, acessórios e etc. Fato este que trouxe aos produtos fabricados pela REFLEXMOON muita tecnologia, qualidade, confiabilidade e o mais importante, mantivemos os valores anteriormente praticados e em alguns casos até baixando os preços, feito este que se deu através de parcerias com nossos fornecedores, automatização do processo de fabricação e treinamento aos nossos colaboradores, ao longo desses 3 anos agregamos a nossa linha novos produtos como o nicho compacto em abs para piscinas de vinil, alvenaria e fibra, caixa de passagem com tampa em plástico e inox, vários modelos de adaptadores para instalação de refletores de rosca, caixa de comando musical e etc. Temos muito orgulho em informar que hoje temos uns dos melhores produtos do mercado com preços acessíveis, sem esquecer, é claro, do ótimo atendimento e respeito aos nossos clientes.

A REFLEXMOON oferece ao mercado soluções em iluminação LED Monocromática e RGB que permitem infinitas opções de iluminação em sua piscina, aliando ecoeficiência, econômica e durabilidade. Desenvolvemos e produzimos diversos modelos de refletores em led, com diversas opções de capacidades, modelos e tamanhos, além de projetos exclusivos que hoje beneficiam muitos clientes em todo BRASIL.

Hoje, boa parte do nosso público, procura a substituição em piscinas que já possuem refletores antigos, por este motivo, temos diversos tipos de adaptadores para atender esta vasta fatia do mercado. Não podemos nos limitar apenas em vendas de produtos para piscinas novas, temos que procurar recursos para aqueles clientes que já possuem a piscina pronta e
possam substituir os refletores dicróica, silibem,bi-iodo e etc, pelo novo refletor led. O refletor mais antigo bi-iodo chamado “farol de fusca” era um problema a sua substituição devido ao tamanho do seu nicho, mas hoje a REFLEXMOON, pensando na praticidade para seus clientes produz um refletor que cobre todo diâmetro do nicho com a elegância do led e, ainda, com opção de acabamento inox branco ou natural.

Vantagens dos Refletores leds de fixação com rosca em sua Piscina
Design exclusivo, beleza, funcionalidade e excelente dissipação de calor, livre de risco de choque na água, tensão de 12 volts, além de materiais de alta qualidade e resistência, economia de até 80% com maior iluminação por watt consumido, distribuição uniforme de cor, caixas de comando com tensão 110/220 volts controle remoto com até 30 opções de troca de cores para animar ainda mais seu ambiente, além do produto ser produzido 100% no Brasil com garantia e assistência técnica. A REFLEXMOON foi a primeira empresa e produzir os refletores com fixação por rosca e também a primeira empresa a entrar com o pedido de patente do sistema de fixação dos refletores por rosca no Brasil.

 

Resposta

Mont Serrat – Sr Guido Diretor

O diodo emissor de luz, também conhecido como LED (Light Emitting Diode), é usado para a emissão de luz em locais e ins-trumentos onde se torna mais conveniente a sua utilização no lugar de uma lâmpada. Depois de muitos anos utilizando a lâmpada convencional como forma de iluminar a piscina, o LED veio para iniciar uma nova era em termos de iluminação. Prometendo o melhor custo benefício em termos de beleza e economia, os Leds vêm sendo cada vez mais desejados, tanto no planejamento de uma obra, quanto na reforma de uma piscina.
A Mont Serrat, criada em 2004 com o propósito de inovação e aperfeiçoamento, logo encontrou nos Leds uma ótima forma de criar uma de suas linhas, os refletores de LED. Os refletores de LED Mont Serrat vêm na versão “Monocromática” (uma única cor) ou então “RGB” (combinações de sete cores em diversas funções). Em uma combinação de estrutura de aço ino-xidável e um conjunto de LEDs, a Mont Serrat encontrou mais um motivo para se destacar no mercado.

Os refletores Mont Serrat são os únicos do mercado que não utilizam lentes sobrepostas nos LEDs, ou seja, a propagação de luz entre LED e água é máxima, sem intervenção de quaisquer objetos translúcidos. Com a estrutura feita em aço inoxidável, desprezou-se totalmente o uso de juntas, parafuso e lente, tornando-se uma peça única. A unidade de iluminação de todos os refletores Mont Serrat é resinada, ou seja, totalmente à prova d’água, tornando-se um produto de excelente qualidade e de total segurança, levando o índice de proteção “IP68” para garantir a responsabilidade da empresa em assegurar todos os seus consumidores. E por fim, uma das grandes inovações da marca na linha RGB está no fato de que todos os LEDs do mesmo refletor acendem por igual, ou seja, os refletores da Mont Serrat têm 100% de aproveitamento da iluminação porque os leds utilizados na fabricação têm as três cores primárias ( RGB ) dentro de cada um. Para simplificar, um refletor Mont Serrat RGB com 28 Leds, quando for dada a função para que acenda a cor azul, os 28 leds do refletor ficarão na cor azul e, assim, as demais cores.

Por fim, apesar de todas essas vantagens e qualidades, engenheiros, em parceria com vendedores, estão em busca de aprimorar ainda mais a linha de refletores, tentando satisfazer as necessidades dos consumidores finais, assim, colocando em prática a proposta de inovação e aperfeiçoamento que a empresa vem demonstrando para todo o mercado, podendo esperar para os próximos meses um brilho de inovação, tecnologia e qualidade que só a Mont Serrat pode oferecer.

 

Resposta

Light Tech – Sr. Roberto

A Light Tech possui uma ampla linha de produtos para piscina, principalmente quando se trata de iluminação.

Fundada em 1999, o primeiro sistema de iluminação feito pela Light Tech foi a Fibra Ótica. A partir de 2007, começou a fabricação da linha de LEDs que proporcionam um efeito luminoso mais intenso que as lâmpadas convencionais e reduzem o consumo de energia. Essa linha hoje conta com mais de 10 dife-rentes tipos de LEDs, variando a área de iluminação, instalação, tamanho, programação, cores, entre outros itens.

A linha Small LED ilumina áreas pequenas de prainhas, decks molhados e piscinas, e substitui refletores e lâmpadas dicroicas. Possui uma área de iluminação de 8 m² e 12 programações sucessivas para alterar ou misturar os tons de luz. Sua instalação é feita diretamente no nicho e não há necessidade de painel de comando. O Small LED é encontrado também na versão Power LED RGB, que atinge uma área de iluminação de 20 m². Outra linha que é bastante comercializada é o Smart LED; ins-talado em um nicho maior que o do Small LED, o Smart LED é ideal para substituir holofotes convencionais, pois também não precisa de painel de comando. Sua área de iluminação é de 10 m² e na versão Power LED RGB ilumina 30 m².

A Light Tech também possui LEDs específicos para jardim e chafariz, respectivamente o Garden LED (podendo ser combinado com o efeito das cores na piscina) e o Jet LED.

O Easy LED é a linha de LEDs com fácil instalação, aplicados diretamente em qualquer tipo de tubulação (1/2’, ¾’, 1 e 1 ½’), iluminando 10 m² na versão tradicional e 30 m² na versão Power LED RGB. No ano passado a Light Tech lançou o Easy LED 70, que possui as mesmas características de instalação que o anterior; o diferencial desse LED está no painel de comando, fazendo com que a iluminação da sua piscina altere de acordo com a música.
O Prime LED é o mais moderno do mercado, pois abre um ângulo de 180º de luz com uma única lâmpada de LED, com acabamento abs ou inox. Ele pode ser encontrado nas versões de 9 Watts e 20 Watts. O primeiro ilumina uma área de 10m² e possui 15 programações sucessivas que podem alternar ou misturar os tons da luz. O segundo (Prime LED 20W) tem as mesmas características do primeiro, porém sua iluminação é de 30 m². O Prime LED diferencia-se por ser menor que os demais LEDs do mercado, ter uma potência maior com um único LED, além de não possuir nenhum tipo de nicho, pois foi confeccionado para ser instalado em um tubo de 1 ½ polegada.
O Controle Remoto Touch e Wifi da Light Tech é o mais completo que existe no mercado. Com alcance de até 30 metros, o controle possui um sistema moderno e prático de manuseio e pode enviar os comandos ao painel de comando, onde ajusta a potência de luz para que a piscina dê um show de luzes a cada clique, alternando assim o tom das cores quando quiser. Adicionando o módulo de rede Wifi da Light Tech, você consegue comandar a iluminação da piscina através do seu celular (sistemas Android e IOS).

A Light Tech informa também que é a primeira empresa do segmento a ter seus LEDs com certificado IP68 (garantia de vedação contra a água) e que desde novembro de 2014, todos os LEDs por ela fabricados passaram a ter garantia de 2 anos.

 

Resposta

Fasa – Sr Wilson – Diretor

A tecnologia da Fibra Ótica.

Mais comumente conhecida pelas suas utilizações na transmissão de dados e na telefonia, nem todos sabem que a fibra ótica é uma importante aliada quando o assunto é iluminação, em especial a subaquática.
Isso porque esta poderosa ferramenta, que hoje está disponível e, principalmente, acessível a qualquer consumidor, representa o único sistema do mundo que não transmite absolutamente nenhuma energia elétrica para a água, fato que elimina por completo o risco de choques e a necessidade de dispositivos de proteção (tais como DRs). Com isso, temos caracterizada, talvez, a mais marcante propriedade do sistema: SEGURANÇA.
Tal façanha, só é possível porque, na utilização da fibra ótica, uma única fonte de iluminação (que é o único componente eletrizado), é colocada distante da piscina (na casa de máquinas, por exemplo). A partir daí, apenas a luz, sem temperatura e sem eletricidade, é conduzida por tubulações simplificadas (PVC ¾”) até o tanque estrutural, onde recebem um acabamento em formato de spot.
Com isso, podemos detectar mais alguns enormes benefícios desta tecnologia, a começar pela total eliminação de manutenções dentro do tanque estrutural da piscina, já que tanto os spots como a própria fibra em si são extremamente duráveis e não necessitam nunca de nenhum tipo de reparo pela utilização usual do sistema. Esta manutenção fica resumida apenas, na grande maioria dos casos, à troca esporádica de uma única lâmpada, abrigada na parte interna da fonte de iluminação. Desta forma, problemas gerados por condensação nos spots, comuns às outras tecnologias tais como Leds e Refletores Convencionais, não são encontrados quando iluminamos com fibras óticas.

Outra grande vantagem é que uma única fonte de iluminação (com uma única lâmpada) pode alimentar vários cabos de fibra ótica e, portanto, distribuir luz para vários spots, o que resulta em uma enorme eficiência energética. A evolução do sistema fez com que seja possível gerar um alto fluxo luminoso com baixo consumo de energia.
Mas o fator que mais chama às vistas, quando o assunto é iluminar piscinas com fibra ótica é, sem dúvida, a parte estética. Além de possuir um acabamento compacto, refinado e discreto (spots em aço inoxidável de apenas 4,5 cm de diâmetro), são notáveis as possibilidades de efeitos diferentes, tais como troca de cores, criação de fundos estrelados e muitos outros recursos inusitados e surpreendentes, limitados apenas pela imaginação.
É importante ressaltar que, na hora de realizar o projeto de iluminação de uma piscina, não se deve apenas considerar o vo-lume de água ou a área em metros quadrados ou cúbicos. Piscinas com mesmas áreas podem ter formatos, cores de revestimentos e ângulos de visualização diferentes, entre ou-tros aspectos a serem observados pelo projetista. A utilização da fibra ótica requer, necessariamente, um estudo prévio da piscina, e não se tratará de uma compra convencional em balcão de lojas. Entretanto, certamente os resultados estéticos e funcionais são compensadores, representando a melhor relação custo X benefício do mercado.

 

 

Resposta

Reinchenback – Antonio – Diretor

A piscina sempre foi considerada um elemento importante na composição arquitetônica e decorativa de uma residência ou mesmo hotel, clube etc. Este elemento, além de decorativo, normalmente é o centro das atenções em dias de festas onde ocorrem os encontros de lazer , relaxamento e “agito”.
De dia, o sol se encarrega de iluminar e dar vida, à noite, sem iluminação, a piscina fica apática, escura e sem graça, é aí que entra a iluminação que deve valorizar e deixá-la exuberante, alegre e festiva.

Para isso a REICHENBACH, que sempre esteve à frente em inovações na área de iluminação, lançou o Led extremamente potente, que é um verdadeiro “processador eletrônico de luz” com amplitude de 150º, que ilumina homogeneamente toda a piscina com um número reduzido dm e peças, e a LED ART se encarrega de dar o toque final com a iluminação do jardim, do muro, das palmeiras e da residência.

2 Replies to “Iluminação na piscina”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

ABNT – Principais pontos da nova norma NBR 10339/2018

Veja abaixo os slides explicativos …