Home Arquitetura & Paisagismo Paisagismo Singapura, a pérola da Ásia – por Eliane Azevedo
Paisagismo - 09/12/2020

Singapura, a pérola da Ásia – por Eliane Azevedo

Não atoa Singapura é citada por especialistas como o grande exemplo no mundo sobre sustentabilidade urbana. Com mais de 5,6 milhões de habitantes, um território pequeno e
altamente urbanizado, Singapura conseguiu se desenvolver
sob a premissa do extremo respeito à natureza e higiene total. Em outras palavras colocaram em primeiríssimo plano a
saúde e a qualidade de vida.
E como se desenvolveu!

O país apresenta o melhor IDH (Índice de desenvolvimento
humano) dentre os países asiáticos e o 4º do mundo (em 2019), resultado de uma cultura política que vem sendo aplicada nos últimos 60 anos. Foram várias medidas exitosas efetuadas e mantidas pelos governos (o sistema político de Singapura é o Parlamentarismo) – iniciadas pelo Primeiro Ministro Lee Kuan Yew que governou de 1959 a 1990 e seguida pelos demais
governantes até hoje. Singapura é extremamente limpa,
arborizada e sustentável. Essas características atraem turistas, que atraem investimentos estrangeiros, que geram empregos, que trazem qualidade de vida… O investimento estrangeiro
direto (IED) subiu dos US$ 93 milhões em 1970 para US$ 110
bilhões em 2019 – o terceiro maior do mundo, segundo o relatório da Conferência de Negócios e Desenvolvimento da ONU.

Hoje vou falar de algumas das medidas adotadas por Singapura que colaboraram para esse grande sucesso:

1.Programa Cidade Limpa e Sustentável
O programa, desenvolvido por Lee K. Yew, teve basicamente
três frentes:
A) Incluiu mudanças nas leis de saúde pública, visando
melhorias e amplo acesso da população ao sistema de esgoto, além de medidas de controle de doenças;
B) Atuou na organização do comércio interno promovendo a transferência de ambulantes para os centros de venda formais;
C) Melhorou a moradia da população carente que foi transferida dos Kampongs (tipo de favelas) para conjuntos habitacionais com infraestrutura melhor.
“Nós construímos, nós progredimos. Mas nenhuma outra
característica do sucesso será mais notável que a de alcançar a posição de cidade mais limpa e sustentável do sul asiático”, afirmou Lee em 1968.

O Programa foi seguido por uma infinidade de outras ações.
Durante as décadas de 1970 e 1980, os moradores da cidade eram estimulados a manter banheiros, fábricas e pontos de ônibus limpos. O plantio de árvores também foi amplamente
incentivado.
Já naquela época, Lee Kuan Yew percebeu que ao transformar
a Cidade-Estado em um lugar mais limpo e agradável, além do benefício direto à população, criaria as condições ideais para impulsionar a economia, com reflexos importantes para o
futuro de Singapura. E ele estava certo!

2. Planejamento sustentável das cidades

Segundo o Green Building Council, uma das formas mais
eficazes de reduzir a pegada de carbono de uma cidade é
reformar seus edifícios e trazê-los para padrões sustentáveis. É nos edifícios que consumimos boa parte dos recursos naturais.
Aqui temos um bom exemplo de atitudes recentes adotadas em Singapura visando a sustentabilidade urbana: a Autoridade de Edifícios e Construções de Singapura (BCA), tem como meta para 2030 garantir que 80% das edificações sejam sustentáveis. Desde 2005, trabalha fortemente para isso, com a criação do Certificado “Green Mark” já entregue a milhares de edifícios.
E eles dão o exemplo!
O próprio edifício sede da BCA é considerado o mais sustentável de Singapura e é referência para futuros projetos arquitetônicos sustentáveis.
3. Gerenciamento de águas


Água é um dos maiores problemas de Singapura e de muitos outros lugares no mundo. Por ter um território pequeno (pouco mais de 650 Km2) e pouca disponibilidade de água doce/
potável, durante muitos anos a cidade-estado dependeu quase que exclusivamente da importação de água doce da Malásia. Hoje Singapura conta com três inovações no gerenciamento de águas: reuso, captação e dessalinização de água.
O incentivo a soluções inovadoras na gestão de águas vem de ações como um evento realizado anualmente pelo governo que visa juntar profissionais da indústria da água para que possam compartilhar e cocriar soluções inovadoras. Há também, o
prêmio Lee Kuan Yew de água, que é dado às melhores mentes no campo de soluções para águas, destacando indivíduos e
empresas dedicados a criar uma sociedade mais consciente.

4. Leis de transporte “eco-friendly”
Outro grande problema era o transporte. Com densidade
populacional tão alta Singapura resolveu agir de forma
contrária às outras grandes cidades do mundo: desestimulou o uso de carros particulares.
Implantou o conceito de transporte significativo que implica
em usar veículos/carros particulares apenas quando for
extremamente necessário. Com isso o trânsito e a poluição
diminuíram drasticamente – melhor qualidade de vida.
Isso só foi possível porque o governo de Singapura criou um Sistema de transporte público eficaz, e estabeleceu leis que
desencorajam o uso de veículos pessoais. Com estas restrições, a maior parte dos cingapurianos andam, usam bicicletas ou transporte público para se locomover pela cidade.
Outra grande inovação no âmbito do transporte é o EVA – Taxi, um projeto colaborativo entre a Universidade Tecnológica de Nanyang (NTU) e a Universidade Técnica de Munique (TUM).
A inovação está principalmente na bateria que pode ser
recarregável em apenas 15 minutos e tem capacidade para rodar 200 km – excelente solução para táxis.
Estas são apenas algumas das várias estratégias adotadas por Singapura e que mostram ao mundo que é possível sim se
desenvolver de forma sustentável.
Este ano de 2020 foi muito diferente de tudo o que podíamos imaginar, mas a pandemia serviu para nos aproximar de quem amamos e para reforçar a importância de vivermos em
harmonia com a natureza.
Desejo a todos um feliz Natal e que em 2021 o Brasil cuide
melhor de nossos recursos naturais.
Mais Verde, Mais Vida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Estocolmo – por Eliana Azevedo – Paisagismo