Home Comunicação & Marketing Comunicação Frio na barriga e coração na boca…. por Rodrigo Sorrilha
Comunicação - 09/12/2020

Frio na barriga e coração na boca…. por Rodrigo Sorrilha

Eita ano maluco esse tal de 2020! Que festival de emoções, quanta coisa aconteceu em um ano onde estivemos no
primeiro banco da montanha russa.

Meu objetivo neste artigo não é fazer uma retrospectiva ou mesmo te dar uma mensagem bonitinha desejando um feliz Natal e próspero Ano Novo. Não, Não!
Meu principal desejo com este artigo é provocá-lo a ver o quanto este ano lhe fez crescer.

Sei que temos sido bombardeados na internet por “memes” que satirizam os aspectos bizarros e dicotômicos deste ano, mas quero que realmente faça um sobrevoo em seu ano e extraia dele os melhores momentos deste jogo chamado 2020.
Não se preocupe, pois vou ajudá-lo a recordar os principais pontos para que você consiga montar sua edição.

Começamos o ano “piscinístico” com um primeiro trimestre bem interessante onde o ano aparentava ser de crescimento para alguns e de recuperação para muitos.

O clima em geral ajudou e o verão 2019/2020 trouxe uma
série de coisas boas em seu início. Até aqui já tome nota dos
resultados tangíveis e intangíveis que você esperava de um
ano que começava bem e intenso. A gente imaginava que
intenso era aquilo até então!

Haviam rumores de um vírus que se propagava pela Ásia e
Europa, mas tudo parecia muito distante de nós, coisa de
televisão. Mas com as águas de março fechando o verão o tal vírus apareceu por estas bandas gerando uma série de
incertezas, informações trocadas, isso pode isso não pode.
Álcool gel, máscara, distanciamento social, mundo on-line, abre loja, fecha loja, manda embora, num manda, que doideira.

Março e abril sobretudo pareciam um casamento de filme de ficção científica com comédia. Não dava para acreditar no que se via.
No ramo o que se viu foi primeiro um fecha tudo, parem as
máquinas, recolham os soldados.
A incerteza fez com que nos encolhêssemos e ao mesmo tempo assustados não se sabia ao certo pra onde ir. Aí lá pra maio o fenômeno #FiqueEmCasa começou a fazer efeito e as pessoas começaram a olhar para seus lares com um novo olhar, a
entender que este espaço do núcleo familiar merecia um
carinho e cuidado. E a reclusão, esse tal “cocooning” que
explicamos anteriormente, nos trouxe um Tsunami de
oportunidades e negócios.
Bem, aí veio julho e o mercado começava a dar sinais de que algo de complicado acompanharia o festival. Com a alta do
consumo, enfrentamos escassez de matérias primas,
produtos e recursos humanos. O mercado explodiu em vendas e, tirando o estresse que todos vivemos, o ano virou e se
tornou talvez o melhor de todos os tempos, sobre o ponto de vista de faturamento.
A ambiguidade pra nós “piscineiros” é até mais forte, pois como lidar com pessoas morrendo e clientes querendo suas piscinas pra “festar” ao mesmo tempo. Saber que a mãe de Beltrano foi e não voltou e Ciclano nervoso porque a entrega da piscina está atrasada.
Pare e pense como isso tudo foi e é enlouquecedor.
Pense nas lições que pôde extrair dessa montanha russa.
Eu de cara enumero 4 que me tocaram:
1- A realidade e possibilidades que o mundo virtual nos
oferece enquanto ferramenta de redução de custos e até de “aproximação” com clientes são potentes;
Pense como as “lives”, vídeo conferências, treinamentos,
reuniões virtuais, contribuem para um “fazer negócios” mais rápido e fluido.
2 – A velocidade de reação e antecipação dos negócios é a
chave não apenas para a sobrevivência, mas para o sucesso;
Planejamento moderno é o que se faz para antever cenários múltiplos não fixos. Corrigir a rota faz com que os capitães de navio e marinheiros se transformem.

3 – Acredite que paradigmas e tabus são feitos para serem
quebrados;
Quanta coisa do universo “isso não dá certo” está funcionando atualmente, quanto você teve que rebolar e rever em seus
conceitos para seguir?

4 – O mundo quer empresas com alma, capazes de estender as mãos aos seus clientes, à sociedade, promover espírito de grupo e que se comprometa com seus colaboradores.
Durante estes meses de pandemia, senti muitas vezes que o que nos torna um país diferente é a nossa capacidade resiliente de enfrentar as situações com o coração.
Espero que durante essa leitura você possa ter refletido sobre seu aprendizado com o frio na barriga e coração na boca que 2020 nos deu.

Aproveito também pra agradecer pela costumeira paciência
e carinho e desejos-lhe um 2021 repleto de aprendizado e
experiências engrandecedoras.

Fiquem com Deus e sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Depois da Tempestade vem o Tsunami…. por Rodrigo Sorrilha