Home Comunicação & Marketing Comunicação Depois da Tempestade vem o Tsunami…. por Rodrigo Sorrilha
Comunicação - 4 semanas ago

Depois da Tempestade vem o Tsunami…. por Rodrigo Sorrilha

Realmente 2020 é um ano para deixar todo mundo de cabelo em pé, nem mesmo os maiores cineastas
poderiam escrever um roteiro tão surpreendente e com reviravoltas de prender o expectador colado na poltrona do cinema, ou melhor, no sofá de casa mesmo.

Em nosso mercado tivemos uma pimentinha a
mais nesse roteiro, pois o tal efeito cocooning (que descrevi em meu artigo anterior) veio se traduzir em uma turba de pedidos que chegaram de uma vez em uma avalanche de consumo jamais vista.

Mas e agora? Escassez de matéria prima, custos subindo a níveis proibitivos, prazos de entrega na indústria em alguns casos já com 90 dias de
previsão. Como se comportar neste cenário, como surfar essa onda de dimensões Titânicas?

Na verdade, meus queridos, este artigo foi motivado
principalmente por dois casos que notei de lojistas que fecharam suas lojas, deram férias coletivas, pois ao se verem com preços dos insumos subindo, as indústrias não entregando, falta de material de construção ou mesmo ágio sendo cobrado para os mesmos, em desespero meteram a cabeça na toca.
Meu amigo, pra quê??? Neste momento temos que nos aproveitar para vender, vender e vender…
Aumentar margem na ponta e, principalmente, fazer caixa.
O consumidor final, já esta ciente que os prazos não são mais os mesmos, que os materiais subiram e que muitos nichos
relacionados com #FiqueEmCasa estão
sobrecarregados.
Ou seja, se você tiver que aumentar seu prazo de entrega e fazer correções no seu preço não será novidade para eles. Se parar pra pensar, se a coisa continuar nesse ritmo, o consumidor poderá ficar sem produto nesta temporada, então
fechar o quanto antes garante sua entrada na fila dos que serão agraciados neste momento.
Outra coisa que ficou muito evidente pra mim nos últimos dias foi que todos estamos viciados em
relacionar o pico da temporada com as entregas para o NATAL. E estamos nos dando conta de que a temporada na verdade começa no final do ano, o verão só chega em 21 de dezembro.
Quem disse que o mundo das piscinas tem seu
reboot no NATAL?!
A pandemia veio nos dá a oportunidade de colocar a temporada em seu curso normal e fazer dos primeiros três meses do ano de faturamentos altíssimos assim como os do último trimestre já o são.
Temos a possibilidade de trabalhar com os anseios dos consumidores, equilibrar nosso ano e ao mesmo tempo planejar melhor no futuro.

Mesmo após a pandemia, o mundo não será mais o mesmo e as pessoas vão olhar para suas casas como seus casulos de proteção, seus santuários particulares.
Nosso ramo deixou de ser supérfluo, não somos mais um luxo, agora somos essenciais.
Bora surfar esse Tsunami meus amigos!!!!
Fiquem com Deus e sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

O efeito “encasulamento” e os impactos positivos no mercado de piscinas – por Rodrigo Sorrilha