Home Notícias Notícia – Por que podemos aquecer o vinil 0,60 acquliner até 32ºC
Notícias - 14/06/2019

Notícia – Por que podemos aquecer o vinil 0,60 acquliner até 32ºC

Por que podemos aquecer o vinil 0,60 mm Acqualiner até 32ºC?
É muito comum no mercado de piscinas escutarmos que o vinil ideal a ser utilizado para piscinas aquecidas deve ser aquele de espessura 0,80 mm e não o 0,60 mm, a
lógica indica que um produto com mais massa, no caso o 0,80 mm deveria suportar temperaturas de até 32ºC, e que o 0,60 mm não seria o ideal. Mas essa convenção, deveria estar lastreada em alguma explicação técnica, e até o momento ninguém havia abordado esse tema.

Todo vinil exposto a uma determinada temperatura sofre deformação e é natural acharmos que quanto mais massa ( corpo ) o material tiver, mais resistente ele será ao calor. Mas existem outros fatores que também fazem parte de uma explicação sobre a resistência do vinil
que não seja somente a sua massa. A qualidade das
formulações e principalmente o processo produtivo
também são fatores que explicam como um vinil com menos massa, no caso o 0,60 mm pode resistir tão bem quanto os mais espessos.

De uma forma simplificada, gostaríamos de informar que os vinis para piscinas são fabricados pelo processo de
calandragem, cilindros que trabalham por pressão e temperatura e transformam um composto de PVC
( Policloreto de Vinila ) em um filme de PVC. Esses filmes são convencionalmente chamados de vinis, que podem ser lisos ( com uma única cor ) ou estampados ( com
diferentes tipos de imagens ). A tecnologia do maquinário que fabrica o vinil de piscina, está diretamente
relacionada a qualidade que será produzida, ou seja, quanto mais recursos a calandra tiver, melhor será o vinil produzido.
O vinil ou laminado de PVC da linha ACQUALINER é
produzido por uma das maiores indústrias transformadoras de plástico do mundo e todos os equipamentos utilizados nessa transformação são de última geração. Como o vinil é um termoplástico, a ação da temperatura sobre ele
modifica seu estado ( mais mole ou mais duro ) e no
momento em que ele está sendo produzido, quanto mais controle houver na extração desse vinil da calandra e quanto maior for o controle de tensão nessa extração, melhor será a estabilidade desse vinil, resolvendo
problemas como encolhimento e ou alongamento. Ou seja, quanto mais relaxado o vinil estiver no momento
em que sai da calandra, e quanto mais temperatura
esse vinil for perdendo antes de ser definitivamente
embobinado, melhor será seu comportamento na
solda dos bolsões de piscina e muito melhor será sua acomodação na alvenaria. De uma forma geral,
temperaturas em torno de 32ºC não deveriam alterar a estabilidade de um vinil 0,80 mm, mas não devem alterar também o vinil 0,60 mm, desde que os critérios de
formulação e controles rigorosos no processo produtivo sejam devidamente controlados.

Em resumo, o vinil 0,60 mm ACQUALINER pode sim, ser utilizado em piscinas aquecidas até 32ºC, porque
obedece aos mais rigorosos critérios de formulação e processo produtivo, utilizando-se de matérias-primas da melhor qualidade e de equipamentos com tecnologia de última geração. Gastar mais em uma piscina que será aquecida, utilizando um vinil 0,80 mm é totalmente
desnecessário quando um produto com menos massa, mas bem formulado e produzido, atende a todas as
especificações. Mas realmente não é qualquer produto 0,60 mm que preenche esses requisitos, o vinil
ACQUALINER é a melhor escolha de custo x benefício quando o assunto piscinas aquecidas está em pauta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

História – Piscinas das décadas de 30 a 50